. . .

— MENSAGEM DO PRESIDENTE

1

“Fazer o balanço do ano que passou é sempre um bom exercício que todos os gestores devem efetuar, independentemente da dimensão ou complexidade das suas responsabilidades.”

Rodrigo_Costa_Presd_REN_JS-3978.jpg
1.1 ›

MENSAGEM DO PRESIDENTE

"2016 foi mais um ano em que, de forma geral, atingimos a globalidade dos nossos objetivos."

 

No ano de 2016, continuámos a trabalhar, seguindo os planos que apresentámos publicamente no ano anterior.

Acreditando que a nossa estratégia permanece atual. Por isso, começo por recordar os seus três vetores principais:

    • Conservar o foco nas áreas operacionais, gerindo as nossas concessões de Transmissão de Energia Elétrica e de Transporte e Armazenagem de Gás Natural, dentro dos mais altos padrões de segurança e eficiência;
    • Manter uma grande disciplina financeira, baseada em políticas conservadoras, com vista à preservação do nosso rating de crédito em nível de investimento, e manutenção de uma política de dividendos estável e sustentável;
    • Procurar oportunidades de crescimento em mercados cuja estabilidade económica e política esteja alinhada com o nosso perfil de baixo risco, e que sejam compatíveis com as nossas premissas financeiras de médio e longo prazo.

 

Esta estratégia é executada partindo de uma base sólida de valores, nos quais assenta a nossa cultura, e que passo a descrever: 

    • Uma gestão positiva do capital humano, investindo na formação e desenvolvimento dos nossos colaboradores, inovando tecnologicamente e ao nível dos  processos, sendo, responsáveis e exigentes social e eticamente. 
    • Um governo societário, definido de acordo com os padrões de transparência mais rigorosos e que respeita integralmente os direitos da generalidade dos nossos acionistas, e cumpre todos os requisitos legais exigidos.
    • Um compromisso com as comunidades que servimos, através de uma política de sustentabilidade social e ambiental ativa, e, por fim, trabalhar sempre tendo como objetivo principal o cumprimento das responsabilidades que nos estão atribuídas, incluindo a criação de valor e sustentabilidade da empresa no longo prazo.

 

Relembrar a nossa estratégia e as premissas em que o nosso desempenho e cultura assentam é útil para as ter bem presentes no nosso dia a dia, e para nos ajudar a manter o rumo bem definido.

2016 foi mais um ano em que, de forma geral, atingimos a globalidade dos nossos objetivos. Este relatório tem a informação necessária que permite confirmar que cumprimos os objetivos traçados, tanto nas áreas operacionais como nas áreas administrativas e de suporte. 

Sobre o ano que passou é importante ter presente que este período não foi isento de dificuldades no que respeita às nossas atividades de planeamento  e investimento, essencialmente devidas ao facto de vários projetos importantes não terem podido ser executados por falta de aprovação das entidades públicas responsáveis pelas mesmas. 

Em 2016 conseguimos manter um equilíbrio financeiro positivo, o custo da nossa dívida reduziu de 4,1% para 3,2% refletindo a nossa solidez e estabilidade financeira, o nosso rating de crédito continua a merecer a dotação de investment grade das três maiores agencias internacionais. 

 

“Em 2016 conseguimos manter um equilíbrio financeiro positivo”

 

A REN pode continuar a orgulhar-se da forma responsável e eficiente como gere as concessões que estão a seu cargo. Uma forma isenta de o comprovar  é comparar os indicadores-chave da nossa atividade com os dos nossos congéneres europeus e de outras geografias. Os resultados do último ITOMS (International Transmission Operations and Maintenance Study), um estudo independente de benchmarking que incide nas matérias de operação e manutenção de redes de transporte de energia elétrica, por exemplo, posicionam a REN como um dos melhores Transmission System Operators (TSO) do mundo, no que respeita ao binómio custos vs. performance.

Este ano que passou ficou ainda marcado pela concretização de um investimento internacional. Seguindo a estratégia definida em 2015, a REN adquiriu uma posição de 42,5% na Electrogas, no Chile. Esta empresa é proprietária de um gasoduto de gás natural (GN) que liga o terminal no principal porto do país a Santiago do Chile, e abastece de GN diversas unidades geradoras de energia, bem como várias zonas residenciais da capital. Trata-se de um investimento de aproximadamente 180 milhões de dólares, que permite continuar a crescer a base de ativos da REN, com uma remuneração adequada ao tipo de atividade que desenvolve, e estável até ao fim da concessão. Este investimento enquadra-se bem nas oportunidades  de investimento que a REN entende dever explorar.

Em 2016, repetimos com sucesso várias iniciativas que todos os anos organizamos dentro das responsabilidades sociais que a REN prossegue. Destaco mais uma edição do Prémio REN, que distingue há mais de 20 anos as melhores teses de mestrado nas universidades portuguesas no âmbito da energia, e do Prémio Agir, que apoia e incentiva iniciativas que dão resposta a problemas sociais das comunidades em todo o território nacional. É ainda importante referir que, em 2016, a REN reiterou o seu continuado empenho na defesa dos princípios do Global Compact das Nações Unidas.

Quando esta mensagem for lida, já estaremos no segundo trimestre de 2017, e a viver as responsabilidades de querer continuar a cumprir a nossa missão. 

 

A nossa expectativa para 2017 está em linha com o que se tem vindo a passar nos últimos anos.

A nossa atividade é de natureza técnica complexa e muito crítica, acresce que os sistemas de geração de energia estão a evoluir para um maior peso de geração renovável, e isso coloca novos desafios à gestão do sistema energético. A REN tem estado sempre na linha da frente em matéria de integração de energias renováveis e sentimo-nos bem preparados para enfrentar os desafios que nos serão colocados. Continuaremos a investir nas áreas de engenharia, com o objetivo de dar sempre a resposta mais adequada em termos de planeamento, operações e segurança.

Temos uma organização competente que está preparada para lidar com as suas responsabilidades, no presente e no futuro. Compreendemos a evolução do setor e estamos atentos tanto às oportunidades como às dificuldades que certamente irão surgir, sem nunca deixar de manter o nível de grande qualidade em que operamos a todos os níveis. 

Estamos prontos para dar resposta e contributos positivos, quer ao nível dos desafios que nos irão ser colocados no mercado da energia nacional, quer ao nível dos projetos internacionais em que estamos envolvidos, nomeadamente em Moçambique, na barragem de Cahora Bassa, e no Chile, na Electrogas.

Concluo com um reconhecimento e agradecimento à colaboração de todas as pessoas que trabalham na REN, entidades públicas do setor da energia em Portugal, parceiros, acionistas e ao nosso Conselho de Administração.

 

Muito obrigado,

Rodrigo Costa
Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva